Syrah 2018/2021

A DançArte apresenta um novo ciclo de espetáculos para quatro anos, com oito espectáculos – Bouquets.

O Ciclo, orienta o trabalho criativo, motiva os intervenientes e convida o público para uma participação continuada e ativa.

Ideia

O património e a cultura estão em foco nas criações, a par dos aspectos artísticos e de linguagens contemporâneas, desenvolvias pela DançArte ao longo dos anos, como opção e linha artística.

O ciclo defende uma aproximação à cultura local, particularmente à riqueza da vinha e do vinho, com o intuito de aproximar a arte contemporânea das raízes do público.

Ao longo do ciclo, a criação em dança, surge entrelaçada com outras áreas artísticas, enriquecendo os espectáculos e tornando-os realidades transversais, onde a Arte se assume como um todo.

Como ponto de partida, pretende-se traçar um paralelo entre a arte do vinho e o acto criativo. Para o desenvolvimento do processo de criação, a pesquisa é uma etapa fundamental, pois com base nos processos que envolvem a produção e degustação de vinho, serão estabelecidos pontos de contacto entre as várias etapas do vinho e a vida.

O processo criativo será desenvolvido sob diferentes perspectivas, desencadeado etapas de um processo interior que é servido ao público de forma maturada.

Neste processo, propõe-se pesquisar a arte do vinho e a sua história, transpondo o pensamento para a dança e música, que dialogam entre si, em tempos de degustação e habitar o corpo e cada espaço, como um bouquet de vinho, descoberto pouco a pouco, desvendado o movimento, o cheiro, o som e cada nota de sabor.

Uma vez que o ciclo, é desenhado para quatro anos, é importante que ele próprio se transforme e mature em múltiplos processos públicos ou não.

Espaços

Com duas criações por ano, este ciclo propõe espectáculos no teatro, mas também na RUA, mais especificamente em Adegas do concelho de Palmela.

Em parceria com a Rota de Vinhos da Península de Setúbal e quatro Adegas de Palmela, a DançArte ocupará espaços de forma impar, oferecendo aos criadores e intérpretes a possibilidade de expandir o seu trabalho e ao público experiências únicas.

Cine Teatro S. João Palmela e…

2018 – Quinta da Serralheira;

2019 – Quinta do Piloto;

2020 – Casa Ermelinda Freitas;

2021 – Filipe Palhoça Vinhos

 

Apoios

Câmara Municipal de Palmela

República de Portugal | Secretário de Estado da Cultura e DGArtes – Direção-Geral das Artes

Fundação Buelher-Brockaus

Parcerias

Rota de vinhos da Península de Setúbal
Quinta da Serralheira
Quinta do Piloto
Casa Ermelinda Freitas
Filipe Palhoça

BIOGRAFIAS

Sofia Belchior

Criadora, coreógrafa, formadora, monitora e produtora, é membro fundador da Passos e Compassos.

Inicia os seus estudos de dança aos cinco anos de idade, na Academia de Dança Contemporânea de Setúbal, com os professores Maria Bessa e António Rodrigues. Finaliza em Julho de 1992 o Curso Complementar de Dança da ADCS.
De 1992 a 1995 foi bailarina da CeDeCe.

Em 1994 participa no Festival Ionge Dans 3 na Academia de Roterdão – Holanda.
Em 1995 participa como coreógrafa/ bailarina na I Conferência Europeia da Dança, realizada em Londres.

Em 1998, frequenta o Curso de Gestores de Programação Artística, promovido pela Culturgest.
Como formadora credenciada de dança, orienta acções de formação para diferentes públicos. Cria e produz diversas peças de dança para diferentes públicos, para a DançArte, mas também em colaboração com outras entidades.

António Machado

Criador, músico, compositor e técnico de sonoplastia e luminotécnia, é membro fundador da Passos e Compassos. inicia os estudos em música aos dez anos de idade, na Academia de Música do Centro Cultural de Beja. É membro fundador de Anonimato com o qual edita dois C.D. Em Julho de 1993 frequentou o Workshop de Frank Kollges, Festival Renânia-Norte Vestefália, Acarte/ Gulbenkian. Em 1995, cria uma peça musical inspirada na recolha de Michael Giacometti para o Museu do Trabalho em Setúbal. Em 2000 cria o suporte musical para uma exposição de um Museu em Elvas. Entre 2005 e 2008, assume a Direcção Técnica do Festival de Teatro de Setúbal, organizado pelo Teatro da Fonte Nova.
Com base num estúdio próprio cria diversas composições, grava trabalhos musicais e orienta formações. Em 2011, participa na Devcon da Eigenlabs, em Denver/ Inglaterra e em 2016 no ContinuuCon em Ashville.

Zé Nova

Artista Plástico; Estudou Arte e Design, especializou-se em Cinema de Animação – Neurones
Portugal, área onde participou em diversos filmes de animação e séries
televisivas de produção nacional e estrangeira.

Tirou o curso de Ilustração infantil – Citen, Fundação Calouste Gulbenkian.
Começou a trabalhar em teatro em 2001 como figurinista, aderecista e
cenógrafo, tendo colaborado com diversas companhias teatrais de norte a sul
do país.

Integrou a equipa do Teatro de Animação de Setúbal, como figurinista
residente, de 2008 a 2012.

Actualmente, colabora como figurinista com diversas companhias de teatro,
dança e animação e como Ilustrador de manuais escolares e livros infanto-
juvenis para a Porto Editora e Areal Editores. colabora com a Passos e Compassos, desde 2011.

Inês Maló

Frequentou a Escola de Dança do Conservatório Nacional até ao segundo e terceiro ciclo do Ensino Básico e terminou o seu curso de dança na Academia de Dança Contemporânea de Setúbal onde interpretou peças de Daniel Cardoso, de Gagik Ismailian, entre outros, no contexto da Pequena Companhia da Academia de Dança de Setúbal. Termina a sua Licenciatura em Dança na Escola Superior de Lisboa em 2017. Esteve ainda na Fontys Dance Academie em contexto do programa Erasmus + na Holanda. Teve a oportunidade de trabalhar com a artista plástica Cindy Moorman e os coreógrafos Amélia Bentes, Blenard Azijaj, Daria Kaufman e Eddy Becquart. Colabora com a Passos e Compassos/DançArte desde 2015.

Ivanoel Tavares

Em 2005 integra o Curso Profissional de Formação de bailarinos da Academia de Dança Contemporânea de Setúbal, que finaliza em Julho de 2013.
Participou no EcoFashion da AMARSUL em 2012 e no Concurso Dançarte do Algarve ganhando o 3º lugar com apresentação do “Deep”.
Em 2013 participa Musical Luísa Todí encenação de Miguel Assis e coreografia de Iolanda Rodrigues; foi considerado Bailarino Revelação, pelo Distrito de Setúbal. Começou a carreira com um estágio na CPBC (Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo)
Em 2014, estagiou no Quórum Ballet e trabalhou na PMP (Paulo Magalhães Produções) em Angola “As 7 Maravilhas de Angola”.

Em 2015 foi finalista do programa “Achas Que Sabes Dançar”, colaborou com a Nucha, Mickael Carreira e David Carreira, Participou nos XX Globos de Ouro. Trabalhou com os coreógrafos Benvindo Fonseca e Gonçalo Lobato.
Em 2016, colaborou Companhia de Évora e inicia uma colaboração com a escola de dança nos Açores “A minha Escolinha de Ballet”.

Em 2017 participa no programa “Let’s Dançe” no qual fica em 2º Lugar, participa no vídeo clip de Anselmo ralph “Casa Comigo” e de seguida no Vídeo Clip da Sara Tavares “Brincar de Casamento.

Colabora com a DançArte desde 2013.

Sofia Luz

O seu gosto e interesse pela dança surgiram desde muito cedo, tendo, aos 3 anos de idade, começado a ter aulas regulares na instituição escolar que frequentava. Dos 9 anos de idade até aos dias de hoje, começou também a dedicar-se à ginástica rítmica. Entretanto, frequentou a Academia de Dança Contemporânea de Setúbal, onde teve o seu primeiro contato com a Dança Contemporânea e Clássica.

Posteriormente, ingressou na Escola Superior de Dança, em Lisboa, estando neste momento, no último ano da licenciatura. Durante este percurso, frequentou a Oslo National Academy of the Arts – KHIO (Oslo, Noruega), através do programa Erasmus+, na qual teve a oportunidade de continuar a sua aprendizagem em Dança Contemporânea e Clássica e de estender os seus horizontes às vertentes de Jazz, Danças de Salão e Hip Hop.

Como coreógrafa, desenvolveu as peças “(Diz)para” e “Ainda que a nuvem passe por cima da luz”, tendo a última vencido o prémio “Melhor Coreografia” no evento “Dance Soul : Stop Bullying”, em fevereiro de 2018.

Ricardo Mondim

Na sua formação profissional consta, entre outros, o Curso de Nível Avançado de Trapézio Fixo, na Escola de Circo Rogélio Rivel, em Barcelona; Formação intensiva com a trapezista Aline Vicente; Formação de trapézio fixo orientado por Zoé Maitre.

Em 2003 foi membro fundador da NeoCirka – Circo de Intervenção Cultural Crl. Foi coordenador do Projeto “Espaço Lança”, onde dirigiu e participou como intérprete em diversos espetáculos.

Desde 2004 colabora com a Cooperativa PIA – Projetos de Intervenção Artística.

Em 2008 é convidado a colaborar como interprete e diretor cenográfico no espetáculo “Xerazade não está só”, um projeto Artemrede em Co-Produção com Lua Cheia – Teatro para Todos e Marionetas de Mandrágora.

Em 2012 Criou o espetáculo “Caracaos” em parceria com Sylvain Peker e trabalhou com o maestro e compositor Jorge Salgueiro nos espetáculos “Da cor da água” e “A vida de um vinho”.

Em 2014 criou o espectáculo A Velha Ampulheta”, premiado no Festival de Teatro de Setúbal e em 2017 “QARIB”, ambos com música inédita de Um Corpo Estranho.

Desde 2009, colabora como interprete e criador na associação Passos e Compassos/ DançArte.

José Lobo

Em 2006 concluiu o curso de Artes e Ofícios do Espectáculo (Chapitô).

Em 2010 concluiu a licenciatura como Actor na Escola Superior de Teatro e Cinema.

Já foi direccionado, entre outros, por Álvaro Correia, João Brites, Francisco Salgado, Jean-Paul Buchieri, Maria Duarte, Luca Aprea, Avila Costa, Nuno Pino Custódio, Ana Tamen, Sofia Belchior, Ana Zannatti, João Gil, John Mowat e José Maria Dias.

Em 2012 ganha um apoio para formação continuada de 7 meses pela GDA e ingressa numa escola de dança, em Málaga.

Colabora com a companhia DançArte desde 2010 até ao presente.

Trabalha como freelancer, interligando a acrobacia aérea com o teatro, o canto e a dança.

Espectáculos

Casa Corpo

In Arquivo / Público Geral / Syrah 2018/2021

Doce Casta

In Em cena / Público Geral / Syrah 2018/2021